22 maio 2006

O Código...

Não li o livro, fui ver o filme porque a repercussão o tornou um fait social total e quem não for ver vai ficar de fora (uau, quatro verbos seguidos!!) das conversas de botequim por algumas semanas. E também porque quase todas as salas de cinema da cidade estão passando este mesmo filme.

Achei fraco, tudo bem previsível, do inimigo oculto à identidade da herdeira. Imaginava que um filme de mistério que gira em torno de charadas deveria prender mais a atenção, principalmente de alguém que não leu a obra original.

Quanto à polêmica, que me importa? A discussão sobre a divindade ou mortalidade de Jesus me é absolutamente irrelevante - talvez por isso o filme não tenha tido nenhum impacto sobre mim.

Ou talvez seja o fato de que toda a polêmica em torno do filme tenha já contado 70% da história na imprensa. Eu achava que a igreja estava sendo idiota em armar esse fuzuê, gerando apenas publicidade gratuita, mas agora eu acho que foi tudo bem armado pela Opus Dei para minimizar o impacto do filme no público.

Em alguns anos provavelmente não me lembrarei do filme. No entanto, guardarei certamente a revelação do que é o Santo Graal. Isso sim, é o que move a humanidade em suas cruzadas.

3 comentaram:

Cid disse...

Por sugestão do Emerson, cortei os comentários que pudessem revelar ou indicar o conteúdo daquele meu post... fica bravo não! Foi só pra manter o low profile que me é ou deve ser característico. Abraço.

Emerson Novais Lopes disse...

Sugestão minha uma conversa! Só conversei com Cidão e o fiz ver possíveis resultados, potencialmente adversos, que foram subestimados por ele, e que, assim, mereceram a decisão de despublicar os comentários!!!! Pô, Cid, faz o negócio e ainda tenta me implicar!!!!
Abraços procêis

Cid disse...

Relax, o cara levou na boa... Caso vcs não tenham visto, tem link em outro dos três pontinhos! Divirtam-se!