08 agosto 2006

Cacerolazo

Na segunda de noite, por volta das 21h00, houve um panelaço de 15 minutos aqui na minha rua.

No dia seguinte saí por aí perguntando o que houve até que o jornaleiro da esquina me informou que uma madame distribuiu folhetos pela vizinhança clamando a um cacerolazo para protestar por mais segurança. Era a única pessoa batendo panela na rua, todos os outros estavam em suas sacadas. Falta de segurança é o tema do momento por aqui - lembro do PCC e de São Paulo e tenho vontade de rir. Meus colegas argentinos também caíram na risada, o análogo brasileiro de um cacerolazo na esquina de Arroyo e Alvear seria usar a Oscar Freire em São Paulo ou o Pier 21 em Brasília como passarela de protesto. A madame deve ter sido assaltada recentemente.

Cheguei a ligar a TV na hora atrás de alguma notícia que explicasse o fenômeno, mas foi algo isolado, o governo não caiu, não houve saques, nada. Era só meia dúzia de gatos pingados, mas o barulho era infernal, vocês não fazem idéia. O suficiente para dar calafrios em alguns argentinos e me deixar com uma curiosidade mórbida pelo ocorrido em 2001 - quase fiquei decepcionado, esperava ligar a TV e ver gente mascarada na rua queimando carros, sei lá...

2 comentaram:

Claudia Lyra disse...

E a gente aqui tão conformada com a violência... bizarro...

Yane disse...

O que vale é a intenção... Ou não =D